terça-feira, 18 de junho de 2013

Cidade Vazia

 "Josielma Ramos"

Acordo e saio de casa com passos apressados,
Sigo o caminho de sempre...
Vejo os rostos de sempre...
Os rostos de sempre... Que não sorriem.
Rostos tristes, raivosos, desconfiados...
Rostos de sono, desvairados...

Corro em meio à multidão,
De rostos, sem rostos,
Me sinto sozinha,
Como em uma cidade vazia.

Não conheço ninguém,
Não gosto de ninguém,
Não olho para ninguém,
Não que eu seja ruim,
Mais é que aqueles rostos, não gostam de mim.

São rostos vazios,
Em uma cidade vazia,
Mentes vazias...
Corações vazios...
Amores vazios...
Em uma cidade vazia.




Nenhum comentário:

Postar um comentário